Ex-namorado assassina jovem com dez golpes de facão 

Polícia Últimas Notícias

Na última quarta-feira (4), Emily Luíza Ferrete Fernandes, de 25 anos, foi brutalmente assassinada a facadas pelo ex-namorado em Belo Horizonte, Minas Gerais. 

Emily atingida com dez golpes de facão após o criminoso invadir a casa da família no Bairro Cardoso, região do Barreiro. 

Um irmão da vítima tentou impedir o ataque e acabou ferido pelo assassino. Ele recebeu seis pontos na mão e oito na perna. 

Ex-namorado, de 29 anos, vive nos Estados Unidos, mas visitava a família no Bairro Betânia, também em Belo Horizonte. Ele foi preso na manhã desta sexta (5), próximo ao local do crime. 

O suspeito tinha um histórico de violência e chegou a criar um perfil falso nas redes sociais para postar fotos íntimas de Emily, como chantagem para tentar convencê-la a retomar o namoro que durou cerca de seis meses. 

O pai de Emily, Julei Anderson Fernandes, revelou que a jovem esteve com o ex-namorado um dia antes do crime, na última quarta (3), quando ele apresentou um comportamento agressivo. 

“Me falavam que o relacionamento era muito conturbado, que ele era agressivo, já tinha medida protetiva, B.O. contra ele… Fiquei sabendo que ontem ele a agrediu e quebrou o celular dela”, disse ao Estado de Minas. 

De acordo com o irmão de Emily, ela vivia com a mãe e os dois irmãos. No momento do crime, ela estava com um deles, Kairos Gabriel, que tentou salvá-la. Foi ele quem relatou como foi o crime. 

“Escutei ele pedindo desculpas pra minha irmã, ela não aceitou e foi a hora que ele entrou e eu fui pegar um pedaço de pau. Ele começou a desferir os golpes contra ela, muitas facadas, caiu no chão, eu tentei cair por cima dele, bati nele também, tanto que ele até me desferiu golpes”, lembrou. 

O ex-namorado de Emily conseguiu fugir correndo após o crime. Testemunhas afirmaram que viram o rapaz pegando um ônibus nas redondezas. 

“Ele deve ter ficado dez minutos no máximo. Ele saiu achando que já tinha polícia na porta, levantando a mão, dizendo que podia levar ele. E me ameaçou também, dizendo que se eu fosse atrás dele ele ia me passar, ia me matar”, comentou Kairos.