EMPRESÁRIO DE MARÍLIA É CONDENADO A PAGAR R$ 15 MIL PARA ENFERMEIRA APÓS POSTAGEM DE COMPROVANTE DE VACINA FALSO

Cidade Polícia Últimas Notícias

O empresário Rodrigo Fabrizzi Luccas, foi condenado no dia 11 de fevereiro, a pagar uma indenização de R$ 15 mil para uma enfermeira após ter adulterado o comprovante de vacinação da noiva e postado no Instagram como se fosse seu.

O nome da enfermeira constava no comprovante e por isso ela teve uma série de problemas profissionais após a publicação.

A noiva de Rodrigo, uma nutricionista que trabalha em um dos hospitais da linha de frente do combate à Covid-19 foi vacinada em janeiro do ano passado, quando apenas os profissionais de saúde eram vacinados, seguindo o protocolo de imunização do Estado de São Paulo, e enviou a foto do comprovante para o noivo, onde constava, entre outras informações, o nome da enfermeira que havia feito a aplicação.

Rodrigo adulterou o comprovante e fez uma montagem com o nome dele para parecer que ele havia tomado a vacina e publicou em sua rede social, a postagem viralizou.

Foi então aberta uma sindicância para apurar a suspeita de que o rapaz teria furado a fila da vacina e o hospital afastou a enfermeira das funções no programa de vacinação. Além disso, a profissional foi investigada pela polícia.

Ainda de acordo com a decisão da juíza Paula Jacqueline Bredariol de Oliveira, mesmo após ter sido comprovada a inocência da enfermeira, ela não foi recolocada na função à frente do programa de vacinação. Na decisão, a juíza ressalta que tudo o que ocorreu com a enfermeira após a publicação do comprovante adulterado causou a ela “sofrimento psicológico e desgaste emocional além do tolerável”.

“O réu agiu no mínimo com negligência ao realizar a publicação e deve assumir as consequências pelos seus atos, o que enseja sua responsabilização pela conduta ilícita que deu causa aos danos morais sofridos pela autora, decorrentes do abalo em sua honra e imagem em âmbito profissional, sem contar que fora abruptamente desligada da linha de frente do combate à pandemia e, mesmo após a apuração de que nada havia feito, não lhe fora devolvida a função, o que, em seu íntimo, soou como punição”, afirma a magistrada na decisão.

A defesa do empresário Rodrigo Fabrizzi Luccas, informou que não concorda com a decisão e irá recorrer ao Tribunal de Justiça. De acordo com o advogado Henrique José Bottino Pereira, “o conteúdo da publicação não teve conotação pejorativa, caluniosa ou difamatória, sem o que é impossível a caracterização do dever de indenizar”.

O advogado também ressaltou que seu cliente não agiu com a intenção de causar dano algum à enfermeira.